Brasil

Seguro desemprego está atrasado

Ana Carla Poliseli

13/01/2012 às 09:58 - Atualizado em 13/01/2012 às 09:59

Ana Carla Poliseli
Trabalhadores desempregados contam com o valor

Desde o início do mês, Helen Queiroz aguarda que o valor referente à última parcela do seu Seguro-desemprego seja depositada. Todos os dias ela vai até o banco e a resposta é a mesma. “Me dizem que houve um erro no sistema e que todos estão sem receber”, lamenta. O problema é ainda mais grave porque janeiro é tradicionalmente o mês de pagamento de contas.    O mesmo problema aconteceu com um administrador de 28 anos que preferiu não ter o nome identificado. Ele contou que no início acreditava que poderia ter sido um cancelamento inesperado. “Era a última parcela, eu contava com aquele dinheiro. Espero que o problema seja resolvido logo.”O Ministério do Trabalho informou em nota que houve um desencontro entre as informações prestadas pelos trabalhadores e o cadastro existente na Caixa Econômica Federal, que é a instituição responsável pelo pagamento do seguro. “Isso é o que me falam todos os dias quando vou atrás, mas as contas não esperam que eles se resolvam. Estão começando a atrasar”, reclama Helen. O erro, segundo o ministério, deve ser resolvido ainda esta semana.Têm direito ao benefício os trabalhadores demitidos sem justa causa, o pescador artesanal e o empregado doméstico, desde que o empregador esteja recolhendo o Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS).O seguro é pago com base na média dos três últimos salários recebidos. Já a quantidade de parcelas, de três a cinco, é calculada com base no período em que o trabalhador teve vínculo empregatício nos 36 meses anteriores ao requerimento. O trabalhador que comprovar vínculo empregatício entre seis e 11 meses, terá direito a três parcelas. Se o período for de 12 a 23 meses, quatro parcelas, e o trabalhador que comprovar vínculo empregatício de 24 meses terá direito a cinco parcelas.ReajusteCom o reajuste do salário-mínimo, desde o dia 1º de janeiro, os valores do seguro-desemprego também foram reajustados. O menor valor da parcela agora é de R$ 622 e o maior de R$ 1.163,76. Todos os pagamentos gerados a partir de 1º de janeiro já sairão com  novo valor,  mesmo aqueles que terão apenas a última parcela a ser liberada.O trabalhador pode requerer o benefício a partir do sétimo até 120º dia após a demissão sem justa causa. Para isso, deve procurar a Gerência do Trabalho ou a Agência do Trabalhador.

Publicidade
Publicidade
Imagem do Dia

Lâmpadas fluorescentes continuam sendo "deixadas" por moradores nos canteiros em Campo Mourão

Publicidade