Engraxate: profissão do passado

Dilmércio Daleffe

Fale com o repórter

Publicado em: 30/05/2011 - 16:51 | Atualizado em: 30/05/2011 - 16:53

Os tempos já não são mais os mesmos. Quem um dia imaginaria que o presidente americano seria negro. Que Osama Bin Laden fosse encontrado. Que o PT governasse o país. Máquinas de escrever e vinis – Long Plays – fossem “sepultados”. Que uma rede de computadores ligasse o mundo. Que os engraxates de Campo Mourão praticamente desapareceriam. Isso mesmo. Pra quem não se lembra, há pouco mais de 10 anos, a área central da cidade era tomada por meninos com suas caixinhas dependuradas sobre o ombro. Hoje, resumem-se em apenas dois. Um deles ainda é importado de Iretama.

Já foi o tempo do romantismo, quando as pessoas tinham tempo para, sentadas nos bancos da praça, parar um pouco e engraxar os sapatos. Era uma época em que a prosa e a boa conversa imperava. Hoje, tudo é correria. Os tempos de ouro não voltam mais. No entanto, a profissão ainda perdura. Praticamente anda de muletas. Wesley Borges e Adenilson de Amorim Barbosa são os dois únicos sobreviventes deste escasso mercado de trabalho, pelo menos em Campo Mourão.  

O Profissional

Dilmércio Daleffe
Adenilson, conhecido como "Profissional": terno e gravata para trabalhar

Adenilson, aos 33 anos, é conhecido como “Profissional”. Trabalha de terno e gravata todos os dias, quando deixa Iretama pela manhã para atuar em Campo Mourão. Trata-se de um engraxate show. Com crachá no peito, ele se orgulha em ter alvará da profissão, tendo o direito de adentrar em estabelecimentos públicos da cidade. “Fiz cursos e aprendi muitas coisas”, diz. O sujeito é realmente profissional. Ele tem até algumas regras: não pegar nada dos outros; respeitar os mais velhos; andar bem vestido; se identificar; e nunca desistir da profissão. “Decidi que é isso que quero da minha vida”, afirma.

“Profissional” é solteiro e trabalha como engraxate desde os 10 anos de idade. Segundo ele, vai morrer atuando na atividade. Como Iretama é pequena, já, há sete anos, vem para Campo Mourão ganhar sua grana. De acordo com ele, em média, faz 10 engraxadas ao dia, rendendo cerca de R$30. “Aqui todo mundo já me conhece. Trabalho até dentro do Fórum”, disse. Ele explica que um bom engraxate não espera o cliente. Vai atrás. Por isso o seu sucesso. Para voltar para casa, quase sempre consegue uma carona, afinal, trata-se do “Profissional”.

O religioso

Dilmércio Daleffe

Wesley recebe até R$30 ao dia.

Aos 21 anos, Wesley é outra figura no centro da cidade. Com sua caixinha, ele fica na praça da matriz, aguardando os clientes. Religioso, carrega um crucifixo no peito e outro amarrado em uma das mãos. Também atua com gravata e roupa social. Conta ele que aprendeu a profissão ainda aos nove anos de idade, quando ainda vendia sabão caseiro pelas ruas da cidade. Logo, passou a exercer a atividade até os 13 anos. Depois disso foi morar em São Paulo, passando a trabalhar como garçom.

Ao retornar a Campo Mourão, recentemente, não encontrou emprego, sendo forçado a voltar à antiga profissão. “Trabalho com muito carinho. Gosto do que faço”, diz. Com o dinheiro arrecadado, come e paga um quarto de hotel. Mas quando a grana não dá, estende a coberta no chão e dorme por aí. Já a comida, isso nunca falta. “Às vezes peço. Não é feio. Quando a pessoa é inteligente, sofre menos”, explica. Wesley cobra R$3 por par de sapato. Ganha entre R$15 e R$30 por dia. Ele diz que está bom. As dificuldades da vida acontecem porque decidiu sair de casa ainda aos 15 anos. Hoje, é ele e Deus.

O cara diz que a profissão o ensinou muitas coisas, a começar pela humildade. “Desta atividade, ou de outras, como num carrinho de sorvete, sai um grande homem. Aqui aprendemos dar valor ao trabalho”, garante. Ele acredita que o desaparecimento dos engraxates se deve, em grande parte, a proibição de menores trabalharem. “Não devia ser assim. O menino que não aprende a trabalhar desde cedo, acaba fazendo coisa errada”. Desta maneira, Wesley e Adenilson vão tocando a vida. Enquanto existirem sapatos, lá estarão os dois.

Profissão em extinção

Engraxate é o homem responsável pelo polimento e limpeza de sapatos. A tradição remete ao ano de 1806, o nascimento do ofício de engraxate, quando um operário poliu em sinal de respeito às botas de um general francês e foi recompensado com uma moeda de ouro por isto. Durante a Segunda Guerra Mundial apareceram os “sciusciàs”, garotos que para ganhar qualquer coisa lustravam as botas dos militares, além de terem cópias de jornais, goma de mascar e doces.

Ao término da guerra desapareceram o sciusciàs e também os engraxates de Nápoles, no início dos anos cinqüenta eles eram apenas mil. Hoje em dia, caminhando pelas ruas napolitanas, ocasionalmente, pode-se encontrar algum.Após a imigração italiana aparece, por volta de 1877, na cidade de São Paulo, os primeiros engraxates. No início eram poucos, de 10 a 14 anos, todos italianos e percorriam as ruas, das 6 horas da manhã até a noite, com uma pequena caixa de madeira com suas latas, escovas e outros objetos. As cadeiras de engraxate foram inventadas por Morris N. Kohn em 1890. O engraxate hoje em dia é uma profissão em via de extinção.

Compartilhar esta notícia

Publicidade

Comentários

Você precisa estar logado para comentar, clique aqui para entrar.
Se você for um novo usuário, clique aqui para se cadastrar.