Região

Preso homem que matou idoso em Peabiru

Walter Pereira

21/10/2010 às 09:34 - Atualizado em 21/10/2010 às 09:36

preso
Ademir dos Santos confessou ter matado e enterrado corpo de Pedro Alves

 

A Polícia Civil de Campo Mourão prendeu o marroeiro (quebrador de pedras) Ademir dos Santos, de 36 anos de idade. Ele confessou ter matado e enterrado o corpo de Pedro Alves, de 63 anos, no meio de um matagal, em uma propriedade rural no município de Peabiru.

O homicídio aconteceu há pouco mais de um mês, mas foi descoberto somente na tarde dessa terça-feira, quando a ossada de Alves foi encontrada na beira de um rio pelo dono da propriedade. Parte do corpo, como o crânio ainda não foi achada. A polícia acredita que animais tenham carregado restos da ossada.

 

Latrocínio

De acordo com o delegado chefe da 16ª Subdivisão Policial de Campo Mourão, José Aparecido Jacovós, com base em informações no depoimento da amásia, Santos matou o idoso para roubar dinheiro. Segundo informações, ele conseguiu tomar quarenta reais da vítima. “O Ademir tinha visto o idoso receber duzentos e quarenta reais, mas parece que ele já desconfiava de alguma coisa e acabou deixando duzentos reais no bar para pegar no outro dia”, frisa o delegado.

 

O plano

Segundo Jacovós, a esposa de Santos disse em depoimento que o marido planejou o latrocínio. Ele se encontrou com a vítima em um bar e depois de beberem juntos o convidou para ir a sua casa, no pátio da pedreira onde trabalhava. Santos chegou a pedir ajuda da esposa, para que seduzisse o idoso, mas ela não quis se envolver. A amásia disse à polícia que seu marido a ameaçou de mandá-la embora de casa.

“Ela disse que iria embora, mas no outro dia e foi deitar. Em seguida Ademir levou o idoso para dentro de sua casa, deu mais bebida a ele e disse que tinha uma irmã que estava deitada e que ele podia ir ao quarto com ela que não tinha problema. Assim que o idoso foi para o quarto e sentou-se na beira da cama o Ademir foi tirando satisfação e tomou o dinheiro dele. A vítima saiu correndo”, esclarece Jacovós.

A amásia de Santos informou à polícia que o marido saiu atrás de Alves e só retornou cerca de duas horas depois a convidando para ir a um baile. Conforme ela, passado alguns dias, Santos passava com frequência em frente a uma plantação de eucaliptos para conferir se o cadáver estava no local. “Ela disse que um dia resolveu seguir ele e descobriu o corpo”, enfatiza o delegado, acrescentando que a mulher chegou a levar sua filha para ver o cadáver.

 

A prisão

Conforme Jacovós, assim que o proprietário do sítio onde estava o corpo avisou as autoridades policiais, investigadores de Campo Mourão se dirigiram ao local, e através de informações repassadas por familiares chegaram ao criminoso.

“Existe todo um conjunto de provas contra o acusado e não há como ele negar porque somente ele, sua esposa e a filha sabiam onde estava o corpo”, pondera Jacovós, frisando que a polícia continua as buscas pelo resto da ossada que ainda não foi encontrada.

Publicidade
Publicidade
Imagem do Dia

Lâmpadas fluorescentes continuam sendo "deixadas" por moradores nos canteiros em Campo Mourão

Publicidade