“Fraternidade e Tráfico Humano” é o tema da campanha

Clodoaldo Bonete

Fale com o repórter

Publicado em: 16/02/2014 - 20:39 | Atualizado em: 17/02/2014 - 08:19

Divulgação

Pe. Raimundo é o responsável pela campanha na diocese de CM

A Campanha da Fraternidade (CF-2014) deste ano terá como tema “Fraternidade e Tráfico Humano”, acompanhada do lema "É para a liberdade que Cristo nos libertou". De acordo com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o objetivo principal do tema é identificar as práticas de tráfico humano em suas várias formas e denunciá-las como violação da dignidade e da liberdade humanas, mobilizando cristãos e pessoas de boa vontade para erradicar este mal, com vista ao resgate da vida dos filhos e filhas de Deus.

Responsável pela CF-2014 na diocese de Campo Mourão, o padre Raimundo Santana dos Reis, da Paróquia Santo Antonio (Araruna), disse que o tráfico humano é um dos modos atuais da escravidão. “O tráfico humano de hoje é, certamente, fruto da cultura em que vivemos. A Campanha da Fraternidade, ao trazer à luz este verdadeiro drama humano, deseja despertar a sensibilidade de todas as pessoas de boa vontade para lutarmos juntos contra esta praga cruel e destruidora”, disse ele.

Ao falar sobre o tema, Santana comenta que a liberdade nos foi doada na cruz de Cristo. “Ele nos libertou e, por isso, concedeu-nos participar da plenitude de sua vida. Na morte, deu-nos a vida; no sofrimento, conquistou para nós a plena liberdade dos filhos e filhas de Deus”, afirma, ao destacar que no caminho de conversão quaresmal, a CNBB apresenta a Campanha da Fraternidade como itinerário de libertação pessoal, comunitária e social.

“Por isso a Igreja com todos os organismos em defesa da vida entra na luta contra o tráfico de pessoas. O tráfico humano é o cerceamento da liberdade e o desprezo da dignidade dos filhos e filhas de Deus. Jesus recorda que o conhecimento da verdade liberta: ‘conhecereis a verdade, e a verdade vos tornará livres’ (Jo 8,32).”  Para o religioso ser filho e filha de Deus, simboliza a verdade que liberta e torna livres. “A liberdade deixa entrever a dignidade única e transparente da pessoa humana. Todos os laços e amarras que impedem a liberdade desfiguram o homem e a mulher criados à imagem e semelhança de Deus”, prega Santana.  

Por fim, o padre de Araruna deixa uma mensagem aos católicos de toda a diocese de Campo Mourão: “Peçamos ao Senhor, a graça de rompermos com a nossa indiferença, e vermos a realidade que nos circunda. Julgar sempre à luz da verdade, amor e justiça. Agir desinteressadamente de o quanto receberei em troca e celebrar a vitória da vida sobre a morte, da alegria sobre a tristeza, da liberdade sobre a escravidão”, finaliza. A Campanha da Fraternidade começa no dia 4 de março, após o feriado de Carnaval, com a Missa de Cinzas, em todas as paróquias da diocese.

 A Igreja Católica propõe seis objetivos específicos para a CF-2014:

 • Identificar as causas e modalidades do tráfico humano e os rostos sofridos por esta exploração;

• Celebrar o mistério da morte e ressurreição de Jesus Cristo, sensibilizando para a solidariedade e o cuidado às vitimas dessas práticas;

• Suscitar, à luz da Palavra de Deus, a conversão que conduza ao empenho transformador desta realidade aviltante da pessoa humana;

• Denunciar as estruturas e situações causadoras do tráfico humano;

• Promover ações de prevenção e de resgate da cidadania dos atingidos;

• Reivindicar, aos poderes públicos, políticas e meios para a reinserção das pessoas atingidas pelo tráfico humano na vida familiar, eclesial e social;

Diante do desespero das pessoas traficadas, despertaremos para o "padecer com". E, assim, não seremos tomados pela indiferença que nos tirou a capacidade de ver, julgar, agir e celebrar. 

Compartilhar esta notícia

Publicidade

Comentários

Você precisa estar logado para comentar, clique aqui para entrar.
Se você for um novo usuário, clique aqui para se cadastrar.